ESPAÇOS COMPARTILHADOS DA IMAGEM
SHARED SPACES OF THE IMAGE​

Longe de delimitar um território, desenhar fronteiras rígidas ou construir uma visão panorâmica sobre a produção fotográfica a exposição, Espaços Compartilhados da Imagem, se propões a apontar caminhos múltiplos, contraditórios, provisórios que a fotografia tangencia nos dias de hoje em suas muitas formas de expressão criativa.

Experimenta-se a ausência de confinamento da fotografia a um procedimento estabelecido, por isso, interessa-nos, com esse recorte de cerca de 270 obras vindas de 19 países, gerar um campo de tensão no qual orbitam tanto formas mais tradicionais da imagem fotográfica – mesmo que em franco processo de interseção com outras mídias, discursos e linguagens – quanto os processos de natureza experimental, processual e intermidiática que assumem a fotografia como uma imensa trama de possibilidades.

A exposição, com seu expressivo conjunto de obras, materializa esse campo de força traduzindo inquietações, provocações e transformações que a imagem fotográfica, em sua potência, pode alcançar na contemporaneidade.

Os trabalhos selecionados, cada um a seu modo, dão a ver estratégias mais enviesadas de aproximação com a tradição fotográfica, revelando desdobramentos de uma intensa cultura imagética que, cada vez mais, nos envolve. As pesquisa apresentadas criam vínculos inusitados com a história da arte, com a produção artística contemporânea e com a cultura de massa, nos provocando, sobretudo, a pensar como percebemos o mundo a nossa volta quando vemos tantas imagens diante de nós.

Far from demarcating a territory, drawing strict borders, or building a scenic vision, the selection of works coming from FIF’s international convocation points to multiple, contradictory, and provisional directions and paths which photography intertwines in modern days in its many forms of expression. 

There is an experimentation with photography’s lack of confinement to a established procedure, which is why we are interested in generating, with this montage of roughly 270 works from 19 countries, a tension field in which may orbit more traditional forms of photographic image (though in an extensive process of contact with other media, discourses and languages), as well as the processes of experimental, procedural and inter-media nature (which take photography as a grand scheme of possibilities).

The exposition, with its expressive ensemble of works, materializes this force field which translates concerns, provocations and transformations which the photographic image, with its power, may reach in contemporaneity. 

The selected works, each in its own way, reveal more biased forms and strategies of approximation with photographic tradition, showing developments of a intense imagistic culture, enveloping us more and more. The exhibited sequences create unusual bonds with the history of art, the contemporary artistic production, and mass culture, provoking us above all to reflect upon how we notice the world around us, when we are faced with so many images.

CIRCULAÇÕES